A alquimia da saboaria vegetal (com tutorial)

EMAIL
FACEBOOK0
FACEBOOK
GOOGLE
INSTAGRAM0
PINTEREST0
PINTEREST
sabao3
Saboaria cold process da Ewé Alquimias

Sabe os sabonetes industrializados vendidos nos supermercados? Esqueça-os por alguns instantes e imagine um sabonete feito com óleos vegetais, perfumado com essências extraídas de plantas e coloridos com pós naturais, como argilas, cacau, açafrão ou urucum. Neste sabonete você pode adicionar ingredientes esfoliantes como farelo de aveia ou ainda terapêuticos como o própolis. É assim que se produz um sabonete artesanal e natural.

Os sabonetes industrializados podem fazer a limpeza da sua pele, mas nada traz de benefícios a ela, ao contrário eles limpam excessivamente, retirando a camada de proteção natural da pele, expondo-as a infecções, dermatites e acelerando seu envelhecimento, além disso ainda são poluentes para o planeta.

Sabão é produzido através de uma reação chamada de reação de saponificação. Para fazer sabão precisamos de gordura e um sal que quimicamente falando, chamamos de substância alcalina ou base. No caso dos sabões em barra, utilizamos o hidróxido de sódio diluído em água. Essa reação produz sabão e glicerina. A glicerina é um umectante maravilhoso para a pele, que ajuda a mantê-la hidratada e faz com que a limpeza com o sabão seja mais suave.

sabao2
Sabão vegetal “Senhora das Águas”, da Ewé Alquimias

Acontece que a indústria de sabão retira a glicerina durante a fabricação do sabão, gerando um produto final bastante pobre para a pele. Sem contar que a maioria dos sabonetes industrializados são feitos com gordura animal. Se você identificar a palavra “tallow” ou “tallowate” no rótulo, pode ter certeza que se trata de um sabonete feito com  gordura animal.

Os sabonetes naturais artesanais não têm esse problema, pois você pode escolher os ingredientes que irá usar, substituindo a gordura animal por óleos vegetais. Fazer sabonetes é uma arte que demanda muita paixão e estudo. Durante os cursos que dou de saboaria, ensino o passo a passo da saboaria natural e estimulo os alunos também a criarem suas próprias receitas. Mas para não deixar vocês com água na boca, irei abaixo indicar uma fórmula simples para você que tem curiosidade e deseja fazer um sabonete 100% natural com suas próprias mãos. É muito importante seguir criteriosamente todas as dicas de segurança sugeridas aqui, pois para fazermos sabão, usamos hidróxido de sódio, que é uma substância que quando não usada corretamente pode trazer queimaduras graves.

Material de segurança:

– Jaleco
– Óculos de proteção para os olhos (vendidos em casa de material de construção)
– Mascara para proteção do nariz e boca (vendidas em casa de material de construção)
– Luvas de borracha

Utensílios:

– Bowl de vidro com capacidade para 1,5L
– Mixer
– Fôrma de plástico, acrílico ou silicone (pode ser improvisada com uma caixa tetra pak vazia).
– Saco plástico para forrar a fôrma (precisa ter um tamanho que dê para forrar todo o conteúdo da fôrma.
– colher de inox de cabo longo.
– Recipiente de vidro de preferência com bico para diluir a soda.
– Recipiente para pesar a soda.
– Fita medidora de pH da marca Merck.
– Balança digital com precisão de 1g.
– Tábua
– Faca

Ingredientes:

– Soda cáustica em escamas no mínimo 97% (vendida em casa de produtos químicos, não use a soda de supermercado).
– Água destilada ou deionizada.
– Azeite de oliva
– Óleo de coco
– Dolomita
– Óleo essencial de lavanda, laranja ou patchouly (opcional)

Receita:

– 500g de azeite de oliva
– 200g de óleo de coco
– 230g de água destilada
– 98g de soda cáustica
– 20g de dolomita
– 30g de óleo essencial

Modo de preparo:

1) Organize seu espaço de trabalho com todos os utensílios a serem utilizados
2) Vista todo o equipamento de segurança
3) O local deve ser ventilado e longe de crianças ou animais
4) A superfície deve estar limpa ou caso não seja uma superfície lavável, forre com jornal.
5) Não atenda o celular durante o processo. Fazer sabão exige o máximo de atenção e concentração.
6) Coloque o saco plástico dentro da fôrma. Caso a fôrma seja de silicone, não precisa ser forrada.
7) Pese a dolomita
8) Pese os óleos no bowl de vidro. Caso o óleo de coco esteja no estado sólido, você deve derretê-lo um dia antes em banho maria. Acrescente a dolomita misturando bem.
9) Pese a água
10) Pese a soda
11) Acrescente com uma colher, cuidadosamente, a soda na água (nunca o contrário, pois poderá causar um acidente). Durante esse processo evite inalar os vapores. Mexa a soda com a colher de inox e espere ficar transparente. Você pode se ausentar um pouco do espaço por alguns minutos para evitar aspirar os vapores da soda.
12)  Quando a solução da soda estiver transparente, vá adicionando aos poucos aos óleos, mexendo sempre com a colher. Quando terminar de adicionar toda a solução de soda, mergulhe o mixer e comece a bater. Bata por alguns segundos e interrompa. Bata novamente com todo o cuidado, com o mixer levemente inclinado e vá alternando entre o mixer ligado e desligado.
trace13) A massa começará a engrossar. Quando a massa atingir o trace (ponto em que ao pingar gotinhas da mistura com o mixer elas não se incorporam mais à massa), pare de bater com o mixer e acrescente o óleo essencial, batendo ainda com o mixer para que ele incorpore.
14)  Após incorporar o óleo essencial, derrame o sabão na fôrma e forre com plástico filme para isolar.
15) Coloque seu sabão em um isopor ou enrole-os em mantas para que ele fique aquecido e possa saponificar.
16) Lave toda a louça no dia seguinte à produção de sabão, usando luvas.
17) Após 36 horas, desenforme e corte-o em barras
18)  Escolha uma barra e retire o equivalente a 1g de sabão
19) Dilua esse sabão em 9g de água destilada morna
20) Quando a água esfriar (estiver em temperatura ambiente) , mergulhe a tira de pH e observe a medida comparando a cor com a indicação da própria caixa onde elas vieram. O pH deve chegar no máximo a 10. Caso passe deste valor, reveja seus cálculos, pois algo pode ter dado errado durante os cálculos ou o processo. Um sabão com pH maior que 10 não deverá ser usado na pele.
21) Deixe as barrinhas do seu sabão secarem em uma bandeja em um local ventilado da sua casa.
22) Após 45 dias você já pode usá-las
23) Mantenha seu sabonete seco entre os banhos e coloque-os em saboneteiras que não acumulam água.

 

Texto colaboração:

10413329_650064655123869_2881667405610440033_nMona Soares
Farmacêutica, fitoaromaterapeuta e artesã de cosméticos naturais.
Professora de saboaria natural e cosméticos naturais.
Proprietária da marca Ewé Alquimias.
www.ewealquimias.com.br
[email protected]

  • ChaverLeo

    Mona Soares, gostei muito da sua receita, só fiquei na dúvida quanto a espuma, que no caso se utilizam muito o Lauril que não é natural. Por qual produto natural voce substitui o Lauril para conseguir espumar ?

    Grato, e parabéns pela página.

  • Carolina Xavier

    Se o sabonete após 36h ter PH maior de 10 o que devo fazer?? Um deu PH 10,7 …ele baixa a alcalinidade com a cura?? Fiz ele com o calculo certo multipliquei a quantidade de óleos por 0,136, pode ter sido reação com o óxido de zinco??

  • graziele

    posso colocar substituir o os 500g de azeite de olova por oleo de coco?

  • Paula Bertoli

    Olá tudo bem? Gostaria de saber se teria como incluir babosa nessa receita e como poderia incluir? Obrigada

  • Karina Schulz

    Olá! queria saber qual a função da dolomita e onde posso comprar?

    • Mona Soares

      Olá Karina. A função da dolomita é prevenir a oxidação precoce do seu sabonete. Ela é vendida em casa de produtos naturais.
      Beijos

  • Thaila Bahiense

    O ph fica alto por causa da soda caustica, certo? Se dimuniur um pouco a proporção de soda caustica haverá algum problema no processo de saponificação?

    • Matricaria

      Thaila, esta fórmula já esta balanceada. A mona Soares é farmacêutica e especialista no assunto. A recomendação é que o sabão fique na cura por 45 dias, ou seja, que fique guardado para completar o processo de saponificação, assim a soda desaparece totalmente. É importânte também fazer o teste de ph para confirmar se esta tudo 100%.

    • http://matricaria.com.br/ Matricaria Ecologia Feminina

      Thaila, esta fórmula já esta balanceada. A mona Soares é farmacêutica e especialista no assunto. A recomendação é que o sabão fique na cura por 45 dias, ou seja, que fique guardado para completar o processo de saponificação, assim a soda desaparece totalmente. É importânte também fazer o teste de ph para confirmar se esta tudo 100%.